quinta-feira, 29 de agosto de 2013

Reciclando


Reciclagem é sempre uma opção para dar uma "repaginada" em móveis de madeira. Aqui o assento da banquinho foi trabalhado com colagem e  o restante recebeu tinta esmalte vermelha. 
 E aí, gostou? Que tal experimentar aí na sua casa? Escolha uma gravura bem legal e mãos à obra. Faça arte!

terça-feira, 27 de agosto de 2013

Certo Sentido


Por quantas vezes acordei
Sentindo medo do breu,
De criaturas sem rosto ou forma
Em meio à escuridão!
Outras vezes o silêncio
Gritando em meu ouvido
Era o único som escutado
Em meio à multidão!
E quando procurava
Um sabor, um gosto
Um cheiro que não lembrasse
Que tudo era ilusão!
Mas nesse profundo silêncio
Havia alguém a esperar
O tempo de  despertar,
Sem nunca me abandonar:
Minha querida Intuição!

Eli Ana 
*(27/08/13)

segunda-feira, 19 de agosto de 2013

Dia da Fotografia





  


A fotografia registra, faz voltar o tempo, revive emoções, mergulha fundo, celebra, confraterniza, embeleza, denuncia, vira arte, dança junto, faz o longe inexistir, é  instante , permite "ouvir"   música, enfim, capta e eterniza um momento. É permanência da imagem. Salve a fotografia (mas imprima, também)!
Registros que ficam:Coreto Bagé, Arthur Valença,  Elúsia Valença, Cassino,   Aula de fotografia, Restaurante Matinho, Dia das Mães, Varal,  Saudade,  Beleza,  Bat-team,  Em (e com) Bagé,  Original e cópia,  Dançando,  Mergulho,  União,  Sintonia,  Arte,  Conquista, Amizade.,

sexta-feira, 16 de agosto de 2013

Marina:Um Dia de Festa


Hoje é um dia feliz, um dia de festa!
E muitos dias felizes , como este, já aconteceram por “culpa” da Marina: nascimento, natais, aniversários (alguns inesquecíveis, rsrsrs), formaturas...
Mas hoje lembrei de um dia desses, em especial, de apresentação da ginástica olímpica no Colégio Pelotense. Foi quando “meio metro de gente” , vindo a frente do desfile das atletas, fez um ginásio inteiro dizer, ao mesmo tempo: -Ahhhhhhhhhhhhhh!!!!!!!
Vocês pensam que ela só abriu o desfile? Não! Ela fazia piruetas e saltos, que eu mal conseguia ver (tamanhas as lágrimas)  como se tivesse nascido para fazer aquilo. Puro talento!
E assim foi na dança, ensino médio, estágios, administração, projeto Rondon, CNH (rsrsrs) e hoje...  o grau em nutrição.
Ela é puro  ...


Pensam que é só isso?
Com a gargalhada mais contagiante que já ouvi essa menina (mosquitinha) foi conquistando pais, irmã, tios primos, avós, amigos, amigos, amigos e um querido namorado!
Pensam que ela parou por aí?É uma legião de fãs por onde ela passa! Portanto quero ser a primeira (desculpa, gente, mas dinda pode...)  a assinar essa lista imensa que nunca vai parar de crescer:
Fãs de Marina Soares Valença
- Eliana Valença ( a nº 1)      Te amo!
-
-

- ............

terça-feira, 13 de agosto de 2013

Autocontrole


O excesso de luz cega a vista. 
O excesso de som ensurdece o ouvido. 
Condimentos em demais estragam o gosto. 
O ímpeto das paixões perturba o coração. 
A cobiça do impossível destrói a ética. 
Por isso, o sábio em sua alma 
Determina a medida de cada coisa. 
Todas as coisas visíveis lhe são apenas 
Setas que apontam para o Invisível. 

(Tao-Te King, Lao-Tsé)

sábado, 10 de agosto de 2013

Meu Pai

Meu pai, sinto tanto a tua falta, mas a cada atitude minha a cada decisão que tomo, a cada caminho que escolho seguir, tu estás presente, naqueles valores que aprendi contigo,   me espelhando em ti.  Mas algumas vezes essa saudade teima em doer  mais forte. Aí lembro de novo de ti e te sinto comigo e a dor vai embora! Tu continuas sempre  presente em meu dia  e tenho a benção de dizer o que já dizia  antes de tu partir daqui: tu foi a melhor pessoa que conheci ! com o Amor de sempre...

segunda-feira, 5 de agosto de 2013

Apresentadora de TV em grande forma emocional (sobre bulling)

Assista ao vídeo abaixo:

A cada dia que passa  mais confirmo uma opinião que venho formando ao longo do tempo sobre bulling. As matérias sobre esse assunto enfatizam os danos sofridos pelas vítimas de bulling. Mas sempre se pensa em vítima de bulling àquele que sofre o comentário maldoso e preconceituoso. Mas analisando este caso (e para mim a totalidade ), pergunto quem será a principal vítima? Essa jornalista, que está como ela mesma sabe, acima do peso ideal, tem uma carreira bem sucedida, é uma pessoa com sua auto-estima em dia, tem admiradores de seu trabalho, é reconhecida como comprova as inúmeras manifestações de apoio que recebeu. Ela superou e sobreviveu ao bulling que sofreu na escola e na vida. Está aí dando exemplo de dignidade perante os outros e boa convivência consigo mesma. É uma pessoa  leve e em grande forma emocional !!!!
Mas e aquele infeliz que se deu ao trabalho de perder seu tempo e energia (negativa, é claro) para menosprezar uma pessoa que ele nem conhece, nem seu trabalho, nem sua vida pessoal? Como será a sua vida? Será que ele tem reconhecimento em seu trabalho, ou ele é da turma que leva a vida fazendo comentários maldosos ,ás vezes em voz baixa e pelos cantos ou em alto e bom tom (ou seria mal tom?)  à cor da pele, ao peso, à opção sexual, ao cabelo, à roupa,  maneira de falar,  aparência física , etc etc etc...?
Será que ele é bem sucedido, é amado pelas pessoas? É feliz e conhece a verdadeira alegria? Será que se aceita como é? Será que passou a vida inteira desdenhando o que não tem? A jornalista, acima do peso, teria algum atributo que o infeliz gostaria de ter? Será que alguém lembrou de encaminhar a um tratamento o infeliz, quando ele ainda estava na escola e cometia bulling? 
Minha vó sempre dizia uma frase de muita sabedoria : "Quem desdenha, quer comprar!"
Sempre que me deparo na escola com alguma cena de bulling converso com meus alunos  chamando a atenção para este pequeno detalhe. É espantoso ver a reação positiva de alguém que sofreu o preconceito sentir que o outro gostaria de ser ou parecer com ela em algum aspecto. Isso parece tão pequeno, mas muda a maneira de se "sentir" vítima. A "vítima" passa a ver que o outro  é que precisa de ajuda.
Quando alguém está bem consigo e com os outros não  perde tempo e energia pensando em incomodar, prejudicar, denegrir a imagem de alguém. As pessoas só fazem isso, quando sua vida é muito carente de motivos para ser feliz,  pois  esta é a visão que têm de  sua própria vida. 
Vamos prestar mais atenção e tratar também,e principalmente, as outras vítimas de bulling: os eternos insatisfeitos consigo mesmos.
Eli Ana

Imagina


Imagina o tempo da magia
e a gente nesse tempo
livre de mágoas,
nús, completamente,
de convicções, opiniões,
só imagina...
E a gente acordando feliz
lendo rótulo de bolacha,
achando a vida uma graça,
olhando a chuva,
escutando passarinho
fazendo ninho, 
imagina...
O sol brilha, brilha.
A lua cintila...
Imagina...
Meu amor, abro a porta
Prá te ver passar!
E virar o que sempre foi:
O meu amor,
Imagina, imagina...
E amanhã
Sete fitas coloridas,
Sete flores, sete dias
de magia...
Imagina!!!!
Eli Ana

sábado, 3 de agosto de 2013

O Outro




O homem  se agrupa em bandos,
Buscando seus iguais.
E o bando se divide,
Novos guetos, novas lutas
Refletindo único perfil                          
Diante de um espelho
A  cada dia menor...
Justa luta, individual causa.
Chega a hora, agora,
De olhar para os lados,
Para o “outro”,
E ver que todos os diferentes
São iguais em algum perfil
De um espelho único ,
Multifacetado, imenso, inquebrável.
Luta? Sim!
Pelo bem comum,
Por tudo, por todos,
E que no fundo... bem no fundo,
É uma só: somos iguais!
Quebre seu espelho e veja:
Veja o “outro”!
Eliana Valença                  

quinta-feira, 1 de agosto de 2013

Ramilonga - Vitor Ramil


Chove na tarde fria de Porto Alegre
Trago sozinho o verde do chimarrão
Olho o cotidiano, sei que vou embora
Nunca mais, nunca mais

Chega em ondas a música da cidade
Também eu me tranformo numa canção
Ares de milonga vão e me carregam
Por aí, por aí

Ramilonga, Ramilonga

Sobrevôo os telhados da Bela Vista (1'19" - 156 KB)
Na Chácara das Pedras vou me perder
Noites no Rio Branco, tardes no Bom Fim
Nunca mais, nunca mais

O trânsito em transe intenso antecipa a noite
Riscando estrelas no bronze do temporal
Ares de milonga vão e me carregam
Por aí, por aí

Ramilonga, Ramilonga

O tango dos guarda-chuvas na Praça XV
Confere elegância ao passo da multidão
Triste lambe-lambe, aquém e além do tempo
Nunca mais, nunca mais

Do alto da torre a água do rio é limpa
Guaíba deserto, barcos que não estão
Ares de milonga vão e me carregam
Por aí, por aí

Ramilonga, Ramilonga

Ruas molhadas, ruas da flor lilás
Ruas de um anarquista noturno
Ruas do Armando, Ruas do Quintana
Nunca mais, nunca mais



Do alto da bronze eu vou pra cidade baixa
Depois as estradas, praias e morros
Ares de milonga vão e me carregam
Por aí, por aí

Ramilonga, Ramilonga

Vaga visão, viajo e antevejo a inveja
De quem descobrir a forma com que me fui
Ares de milonga sobre Porto Alegre
Nada mais, nada mais.